Luto: Corpo de Beto Mi está sendo velado no Velório Municipal ao lado do IML, em Guaratinguetá - Jornal de Guaratinguetá
*ROLE PARA CIMA PARA LER A NOTÍCIA*

Luto: Corpo de Beto Mi está sendo velado no Velório Municipal ao lado do IML, em Guaratinguetá

11 de junho de 2019

Humberto Miranda Neto – Beto Mi

Humberto Miranda Neto, conhecido artisticamente por Beto Mi sofreu um infarto fulminante nesta segunda-feira (10/06), na região do Pedregulho. O cantor, compositor, produtor musical, arranjador brasileiro e Ex-Secretário da Cultura de Guaratinguetá nasceu em 4 de julho de 1958 (60 anos). Seu corpo está sendo velado no Velório Municipal ao lado do IML. O sepultamento está previsto as 12h, no Cemitério dos Passos, em Guaratinguetá.

Beto Mi muito cedo, percebeu-se o seu interesse pela música, quando se emocionava ouvindo rádio ou discos de seu pai, com músicas clássicas ou os clássicos da música brasileira ou, ainda, quando passava horas ouvindo o violão de Dilermando Reis, ao lado da casa de seus avós, o que não era comum para meninos de sua idade.

Já na adolescência, cantou em coral, sob a regência do Maestro Martinho Lutero, tocou em bandas e grupos musicais, que entre outras coisas, tocavam em missas de jovens, na região. Em meados da década de 70 mudou-se para São Paulo, para cursar a Universidade, e começava ali a trilhar seu caminho musical. Nas andanças por bares de estudantes e noites paulistas, conheceu outras realidades, pessoas e personagens, que ficaram para sempre registradas em sua memória, enriquecendo suas poesias e iniciando-o na sua carreira musical. Nessa mesma época, foi convidado a participar do grupo de Teatro Experimental Universitário – TEU, onde atuou como diretor musical. Logo em seguida começou a participar de festivais de MPB, que eram muito respeitados e que serviram de escola para muitos músicos e compositores daquela época.

Tornou-se conhecido e respeitado, no meio, por vencer vários festivais e por ter recebido, várias vezes, os prêmios de melhor letra e melhor intérprete. Foi chamado de o “Rei da Afinação”, por Durval Ferreira e de “Divino”, por Ângela Maria. Armazenou diversas vitórias e conquistou vários amigos e parceiros, com o seu trabalho e a sua simplicidade.

Em 1982, após vencer o festival de Ubá, com a música “Ói u trem”, onde recebeu o prêmio das mãos do compositor Alcyr Pires Vermelho, que o comparou a Chico Buarque, no início de carreira, foi convidado por diretores da gravadora RCA Victor, presentes ao evento, a gravar seu primeiro disco, um compacto que foi distribuído somente no estado de Minas Gerais. No ano seguinte, Beto assinou um contrato com a gravadora RCA e lançou seu segundo compacto, desta vez com distribuição em todo território nacional. Em seguida lançou o seu primeiro LP, intitulado “Beto Mi”, que foi produzido por Durval Ferreira, e contou com as participações especiais de Hector Costita (saxofone), Maestro Ubirajara (bandoneão) e Milton Banana (percussão). Esse disco vendeu mais de 100.000 cópias, na época, e tornou-se um grande sucesso nacional, com destaques para as músicas “Pra dizer que não falei do verso”, “Anjo da guarda”, “Ói u trem” e “O ano que virá”.

Seu primeiro LP foi muito elogiado pela crítica e foi considerado um clássico na MPB. Nessa longa caminhada, conquistou amigos e parceiros que só vieram a acrescentar na sua vida e conseqüentemente no seu trabalho, como: Sá & Guarabyra, Flávio Venturini, Vanusa, Ivan Lins, Ronnie Von, Durval Ferreira, Rosemary, Peninha, Toninho Horta, Tavinho Lima, Nilson Chaves, só para citar alguns nomes de destaques na música brasileira contemporânea com os quais já trabalhou.

Em 1986, Beto Mi lançou seu segundo LP, “Espelhos”, com produção de Ney Marques, pela gravadora Polydisc, com destaque para a música-título.

“Um Tempo pra Sonhar”, terceiro álbum do cantor, foi lançado em 1989, pela gravadora Warner. Este trabalho, também produzido por Ney Marques, contou com a participação especial de Guarabyra, na faixa “No coração de quem ama”. O disco obteve grande sucesso nacional, com as músicas “Espanhola” e “Sonhos de Primavera”, sendo executado em todas as rádios do país. Com o resultado deste sucesso, Beto Mi ganhou um videoclipe e conquistaria o Prêmio Sharp de Música de 1990.

Em 1995, Beto Mi gravou o seu 6º disco – e 1º CD – na carreira, “Andarilhos da Luz”. Este CD teve a produção do próprio Beto Mi e a participação especial de sua filha Thais Giubelli Miranda, na época, com 11 anos de idade. Foi também o primeiro trabalho realizado por sua gravadora, a BTM.

O 7º disco, “16 anos de Beto.

Nossos sinceros sentimentos aos familiares e amigos.

Clique AQUI e comente no Facebook do Jornal de Guará 

www.jornaldeguara.com.br – A informação a um click de você