Ministério Público cumpre Mandado de Busca e Apreensão em Guaratinguetá « Jornal de Guaratinguetá

Ministério Público cumpre Mandado de Busca e Apreensão em Guaratinguetá

11 de maio de 2018

A Polícia Militar (BAEP) em apoio ao Ministério Público do Estado de São Paulo cumpriu na manhã desta quinta-feira (10), um mandado de busca e apreensão, no escritório de informática em uma casa, no Portal das Colinas, em Guaratinguetá. A empresa prestava suporte de informática para empresa de refrigerante Dolly, no qual o proprietário Laerte Codonho, teve sua prisão preventiva decretada em sua casa na Granja Viana, em Cotia/SP. As investigações apontam organização criminosa, fraude fiscal, e lavagem de dinheiro. O valor estimado da fraude é de R$ 4 bilhões.

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, a operação deflagrada decorre de investigação em Procedimento Investigatório Criminal instaurado pelo Grupo Especial de Delitos Econômico (Gedec) com o objetivo de apurar graves crimes de organização criminosa, fraude fiscal estruturada e lavagem de capitais, cometidos, em tese, por integrantes do grupo econômico conhecido como (refrigerante) Dolly, liderado por Laerte Codonho.

Houve, a pedido do Ministério Público, decisão judicial proferida pelo Juízo da 4ª Vara Criminal de São Bernardo autorizando medidas cautelares de busca e apreensão, sequestro de bens, quebra do sigilo fiscal e bancário, além de prisões temporárias.

Além disso, há notícia de ações cautelares ajuizadas pela Procuradoria-Geral do Estado e Procuradoria da Fazenda Nacional buscando, no âmbito fiscal, a recuperação de ativos de bens do grupo econômico mencionado, responsável por débitos fiscais bilionários já constituídos. Tais instituições, no âmbito de suas atribuições, atuam em cooperação buscando a apuração dos fatos e recuperação de ativos.

A operação está em curso, porém já foram apreendidos documentos de interesse da investigação, veículos, cumprida ordem de sequestro de helicópteros e efetuadas prisões temporárias.

O advogado Wilson Leandro, da empresa que prestava serviços de informática, para a investigada Dolly, informou que foram apreendidos computadores e documentos diversos na residência, porém ninguém havia sido preso, até o término desta reportagem. Em breve mais informações. Clique aqui e comente no Facebook do Jornal de Guará.